e-bit na mídia

Comércio eletrônico fatura R$ 28,8 BI em 2013
29/1/2014

São Paulo, 29 de janeiro de 2014 - De acordo com a E-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico, o setor movimentou R$ 28,8 bilhões em 2013, crescendo, nominalmente, 28%, em relação a 2012, quando o faturamento chegou a R$ 22,5 bilhões. Apesar da inflação e da desaceleração da economia, o resultado superou as expectativas, que indicavam um crescimento nominal de 25%.

Para Pedro Guasti, diretor executivo da E-bit, o rápido crescimento da banda larga móvel influenciou nos números positivos. Muitas pessoas das classes C e D, que não tinham acesso à internet, passaram a se conectar através de modelos mais simples de smartphones. E se tornaram, além de internautas, consumidoras online, explica.

A Black Friday também contribuiu para o sucesso do setor em 2013. O resultado da ação ficou muito acima do esperado e rendeu ao e-commerce R$ 770 milhões, quebrando todos os recordes de faturamento em um único dia, afirma Guasti.

Para 2014, a E-bit prevê um crescimento nominal de 20%. Teremos um período de mais desafios, mas esperamos que o e-commerce encerre o ano com um faturamento de R$ 34,6 bilhões. A Copa do Mundo deve aquecer a venda de materiais esportivos e de televisores de grandes proporções com tela fina, aposta Guasti.

Em março, a E-bit divulga a 29ª edição do relatório WebShoppers, com o estudo completo sobre o e-commerce brasileiro em 2013.

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA:


Divulgação de dados da E-bit

E-bit solicita que seja indicada como fonte de informação em qualquer press release, artigo de opinião, editorial ou matéria jornalística que mencione dados coletados em seus estudos sobre o mercado brasileiro de e-commerce, em especial ao relatório WebShoppers.


Reforçamos que os dados são de propriedade da E-bit e, portanto, a imprensa deve sempre informar qual a fonte, a fim de reforçar a credibilidade da informação e evitar que os dados divulgados pela empresa sejam atribuídos a outras fontes.



 

Apoiamos causas contra a divulgação de materiais ilegais, agressivos, caluniosos, abusivos, difamatórios, discriminatórios, ameaçadores, danosos, invasivos da privacidade de terceiros, terroristas, vulgares, obscenos ou ainda condenáveis de qualquer tipo ou natureza que sejam prejudiciais a menores e à preservação do meio ambiente. Compre com segurança: conheça seus Direitos de Consumidor.